Cidadão Global: Destinos – Ásia

Aterrissamos agora no continente asiático para contar um pouco mais sobre alguns dos países que a AIESEC te dá a oportunidade de conhecer por lá.

O maior continente do mundo tem lugares incríveis e é uma chance de novas experiências. Pra quem busca autoconhecimento, a Ásia é um destino bastante interessante, já que é muito associada à sabedoria e a espiritualidade. Inclusive, muitos dos grandes líderes religiosos são asiáticos: Jesus Cristo, Buda e Maomé, por exemplo.

Afim de um intercâmbio diferente? Conheça alguns destinos do Cidadão Global na Ásia:

 

1- Índia

Cidadão Global - Índia

 

Esse país colorido e cheio das tradições é um dos destinos mais recorrentes dos intercambistas da AIESEC! A Índia possui diversas atrações: de passeios em elefantes até visitas aos rios sagrados e templos hinduístas (o hinduísmo é a religião mais popular por lá).

Na hora de se alimentar, provavelmente você irá se deparar com uma comida super apimentada e temperada, aproveitando as variedades de ervas e especiarias do país. Ah! E não estranhe se vir pessoas comendo com a mão, viu? Isso é bem comum na Índia. Porém, use a mão direita, pois a esquerda é considerada sujinha e para ser usada na hora de ir ao banheiro.

 

A realidade da mulher na Índia e como podemos mudar isso através do intercâmbio

 

2- Tailândia

Cidadão Global - Tailândia

 

Procure “Tailândia” no Google que você vai se deparar com lugares mágicos, ótimos para seu Instagram, diga-se de passagem. Esse país, essencialmente budista, é bem legal para quem está afim de aflorar seu lado espiritual. Inclusive, se você ama luzes, lá existe o Yi Peng Lantern Festival, uma celebração para a purificação espiritual (xô energias ruins!), que envolvem lanternas de papel com velas dentro. Além disso, nesse país você verá uma mistura de arquitetura antiga com construções super modernas de cair o queixo.

 

10 curiosidades sobre a Tailândia

 

3- Malásia

Cidadão Global - Malásia

 

Sua vizinha Tailândia rouba a cena, mas a Malásia também não deixa a desejar. O lugar possui praias e ilhas lindas! Viajar para a Malásia também é uma ótima oportunidade de aprender vários idiomas, já que além do Malaio, encontramos uma galera que fala chinês e inglês. A maioria dos malaios seguem o islã, porém existem bastante budistas, hindus e cristãos, assim no país se comemora o ano novo 3 vezes, uma no calendário chinês, outra no ano novo islâmico e também na data do ocidental.

 

4- Singapura

Cidadão Global - Singapura

Singapura (pode escrever com C também) é um destino incrível e surpreendente. Mais uma vez te convido a jogar o nome do país no Google e verá o ar super moderno do lugar. A cidade-estado fica na pontinha da Malásia (mesmo sendo independente) e tem uma economia bem desenvolvida. Se você procura multiculturas, vai curtir bastante por causa da quantidade de chineses, malaios e indianos tudo se mistura. Aproveite para passear bastante, já que o transporte por lá é bastante organizado e eficiente.

 

5-  Indonésia

Cidadão Global - Indonésia

A Indonésia é o maior arquipélago do mundo, cercada pelos oceanos Índico e Pacífico. É um lugar muito rico em paisagens naturais, sendo o segundo em biodiversidade depois do Brasil. Se você curte coisas exóticas vai adorar os lugares, os alimentos, os animais e tudo mais.  A Indonésia também está na lista de um dos países mais simpáticos do mundo.

 

Após seu intercâmbio na Indonésia, estudante cria um negócio social

 

Ficou com vontade de conhecer esses lugares mais de perto, né? Se informe com a gente! Clique AQUI e seja você um Cidadão Global!

 

Descobrindo a Indonésia

 Janaina Marques, de São Paulo, é economista e atualmente faz especialização em Economia Urbana e Gestão Pública na PUCSP. Ela fez intercâmbio pela AIESEC para Indonésia e contou para a gente as experiências que viveu lá:

“Eu conheci a AIESEC  quando eu morava em Sinop-MT, onde eu fazia minha graduação na Universidade do Estado de Mato Grosso. À priori meu desejo era fazer um intercâmbio para a Índia assim que me formasse, uma vez que minha monografia tratava das relações diplomáticas e comerciais entre a Índia e o Brasil.

Cheguei a fazer algumas entrevistas com a Índia, mas não deu certo. Um dia navegando pela plataforma, vi a vaga GIP para Marketing Intern na JAC Recruitment na Indonésia. Sinceramente, naquela época eu nem lembrava que a Indonésia existia. Me candidatei e em uma semana eu fui aceita. 

Jalan MH Thamrin - Jacarta

 

Meu intercâmbio foi de 6 meses e foi incrível. Eu aprendi muita coisa na empresa onde estagiei, pude participar um pouco de todos os departamentos (recrutamento, marketing, comercial) e conhecer a cultura corporativa indonésia e japonesa, uma vez que a empresa é japonesa e tem vários japoneses trabalhando lá. Além disso, havia muitos outros estagiários pela AIESEC também estagiando na JAC, de todas as nacionalidades, e pude também conhecer um pouco da cultura de cada lugar do mundo. O que contribuiu para eu conhecer diversas culturas também foi o meu estágio ter acontecido em Jacarta, que também é um “melting pot” ( lugar de mistura de nacionalidades e culturas). Você encontra pessoas de todos os lugares do mundo morando lá, inclusive muitos brasileiros.

Carnaval brasileiro em Jacarta "Sou Brazil"

A Indonésia é muito peculiar e ao mesmo tempo que se distancia demais do Brasil, tem pontos em comum, em especial por ter sido colonizada também por portugueses, por um curto período de tempo, mas absorveram algumas coisas de Portugal, em especial palavras de origem lusa em seu idioma, o bahasa indonesia (no final do texto há uma lista com algumas palavras similares ou iguais)*.

Indo na contramão das semelhanças, a Indonésia é um país predominantemente de muçulmanos, e quase 82% da população segue o islão. Foi muito importante para mim ter contato com isso, a gente desconstrói toda aquela propaganda desonesta que é feita de muçulmanos para o ocidente, associando a imagem dos mesmos a terrorismo e extremismo, por exemplo. A parte difícil foi que eu morava em frente a uma mesquita e eles iniciam a oração no alto-falante às 4 da manhã. Eu tive reais problemas com isso no início, depois nem acordava mais.

Então quando eu falo da religião predominante da Indonésia as pessoas ficam pensando que eu tive uma vida muito regrada por lá. Mas como eu digo, cidade grande é cidade grande. Jacarta tem balada, tem bebida, tem tudo que São Paulo tem, por exemplo (só não coxinha e guaraná, que fazem uma falta absurda).

Balada em Jacarta

 

O país me marcou em vários aspectos: a sua cultura do pouco toque, a pimenta excessiva na comida, a cerveja em temperatura ambiente, as pessoas pararem tudo o que estiverem fazendo para rezar em direção à Meca, a variedade de restaurantes (eles comem muito), a forma como eles se relacionam com o ocidental (essa, na minha opinião, é uma das questões mais tristes da Indonésia: o ocidental é tido como superior, ao extremo) e comparativamente, o Brasil mesmo sendo tão emergente quando a Indonésia, já avançou em muitas questões que a gente nem se dá conta, como a saúde universalizada, a mobilidade urbana, direitos sociais, etc. Não que isso tudo esteja perfeito por aqui, mas quando comparei com a Indonésia pude ver que estamos bem a frente.

A Indonésia é plural, enorme, encantadora, ela mexe com você em vários setores: emocional, profissional e pessoal. Eu recomendaria o país para todo mundo. Sou apaixonada por lá. E de modo geral, recomendo para as pessoas que estiverem dispostas a fazer um intercâmbio, que tenham menos amarras e que procurem ir para países que não sejam tão” mainstream.” Procurem lugares pouco explorados pela mídia internacional, sempre tomando as devidas cautelas sobre a pacificidade civil desses países, há coisas no mundo que a gente nem se dá conta que existem e teremos acesso abundante a elas quando vamos para lugares “anônimos”.

Almoçando ao lado do vulcão em Bali.

 

Vale muito a pena fazer um intercâmbio, seja profissional ou voluntário, vale cada centavo, cada minuto gasto procurando vagas na plataforma, cada gota de ansiedade. É mudança de vida, de pensamento e de percepção do mundo e de outras culturas.”

*Confira  algumas palavras indonésias de origem lusa.

gereja <igreja
paderi <padre
misa <missa
santo
santa
Minggu <Domingo
Natal
Paskah <Páscoa
roda
bola
jendela <janela
meja <mesa
garpu <garfo
beranda <varanda
pena < caneta
tinta
pineti <alfinete
arloji <relógio
boneka <boneca
bangku <banco
kemeja <camisa
sepatu <sapato
renda
pita <fita

Quer viver uma experiência como a dela? Inscreva-se!