Precisamos falar sobre intolerância

Precisamos falar sobre intolerância.

7,655 bilhões.

Atualmente, existem 7,655 bilhões de pessoas no mundo. Cada uma dessas pessoas é única, o que significa que existem bilhões de diferenças que nos diferem. Mas, isso não significa que devemos ser tratados de modos diferentes por causa dessas diferenças e por quem somos.

Há mais ou menos cinquenta anos atrás, a população do mundo totalizava menos da metade do que é hoje. Com esse crescimento exponencial no número de habitantes do nosso planeta, temos também um crescimento grande em questão da quantidade de diversidades entre as pessoas. E assim, precisávamos crescer nosso nível de tolerância igualmente, o que não foi o caso. Na minha visão, esse crescimento repentino, acompanhado de uma noção enxuta de necessidade de adaptabilidade, trouxe um momento de choque para uma humanidade que, por sua vez, não soube lidar com as diversidades e passou a repudiar tudo que era diferente do “normal”.

Mas, isso não é um grito de desespero, e sim um chamado aberto, para quem quiser ouvir, para buscarmos a mudança. Acredito que a população jovem, principalmente, está se tornando cada mais faminta por mudança e isso me deixa orgulhosa. Porém, ainda existe muito chão pela frente se queremos nos tornar uma humanidade humanizada, uma humanidade totalmente tolerante.

Existem iniciativas, como o Dia Internacional da Tolerância que foi criado pela ONU, ocorre dia 16 de Novembro e procura gerar ações voltadas ao desenvolvimento da tolerância. Iniciativas como essa, que geram movimento e são voltadas a resolução problemas específicos como esse, que tem a capacidade de alertar sobre pensamentos negativos e quebrar o preconceito enraizado na sociedade. Mas, essas iniciativas precisam vir acompanhadas de ações mais diretas e precisas. Aqui estão algumas ferramentas que a ONU acredita ser essencial para combater essa causa:

  • A luta contra a intolerância exige lei
  • A luta contra intolerância exige educação
  • A luta contra a intolerância exige acesso à informação
  • A luta contra a intolerância exige consciência individual
  • A luta contra intolerância exige soluções locais

Ademais, a união faz a força. Essa luta não é só de uma pessoa, é de todo mundo. É preciso ter união para atingir a sociedade como um todo. É hora de ouvir a opinião de todo mundo, independente de qualquer coisa, e saber absorver essa opinião para assim tentar entender aquele que é diferente de você. Além disso, precisamos ter a proatividade de agir não só em prol da tolerância com nós mesmos, mas da tolerância com o outro. É preciso ter coragem para provocar uma onda de mudança com ações. Além disso, é preciso que essa onda de mudança venha da geração que realmente tem o poder para mudar, a juventude.

É importante agir por um Brasil mais tolerante sim, mas é importante olhar além da nossa zona de conforto e começar a pensar em um mundo mais tolerante. Que tal ser parte dessa mudança pelo mundo? Inscreva-se em aiesec.org.br!

Leia também:



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *