A intercambista que criou o maior campeonato de skate feminino da Costa Rica

Conheça a história da Thais: uma menina de 19 anos, nascida e crescida na capital paulista.
Thais em seu intercâmbio na Costa Rica

Durante toda sua vida, sempre amou andar  de skate e participou de diversos campeonatos, mesmo sofrendo desvantagem por, na maioria das vezes, ser uma das poucas meninas em um meio esportivo predominantemente masculino. A falta de representatividade feminina no skate sempre a incomodou. Assim, começou a cursar jornalismo na faculdade e passou a usar essa profissão para dar mais voz à causa que ela adotou como sua.

Pouco antes de participar de um campeonato mundial na Califórnia, enquanto treinava, Thais quebrou seu tornozelo. Não poderia andar de skate por um bom tempo. A skatista ficou arrasada com essa notícia mas, ao mesmo tempo, ficou com uma certa inquietude, não queria
ficar parada. Assim, foi atrás de uma oportunidade diferente e decidiu fazer um intercâmbio voluntário com a AIESEC para a Costa Rica, dando aulas de inglês e português em duas instituições locais por 6 semanas. Chegando lá, ela encontrou um país pequeno mas com um grande espírito de Pura Vida, querendo viver intensamente cada dia. Ela descobriu também que a Costa Rica nunca havia tido um campeonato de skate feminino de grande porte e, imersa no estilo de vida do país, ela decidiu fazer alguma coisa a respeito. Ela entrou na internet e pesquisou “Skate feminino Costa Rica” e, através disso foi conhecendo algumas meninas que faziam parte da cena do skate na Costa Rica. Teve reuniões com as meninas, organizou, trabalhou e foi atrás de tudo que precisava para então, junto com mais alguns coletivos locais, criar o maior campeonato de skate feminino da Costa Rica.
Participantes do campeonato de skate

O campeonato teve participação de diversas meninas e mulheres, (muitas das quais ainda estavam começando no skate), cobertura de televisão internacional, jornais e mídias do mundo do skate e apoio do governo da Costa Rica, que ainda a convidou para voltar no próximo ano e realizar outro campeonato. Mas, acima de tudo, o campeonato trouxe voz a quem ainda não tinha. Deu luz a uma causa que ainda estava no escuro, e tudo isso porque uma jovem quebrou o tornozelo e não queria ficar parada.

Além de causar um impacto positivo no país ao realizar seu projeto voluntário, a Thais usou a sua voz, seu conhecimento e sua paixão para ir além, para fazer mais ainda. Você não precisa de anos de experiência, dinheiro ou qualquer outra coisa para fazer a diferença, basta ter a liderança necessária para lutar pela sua causa e querer sair da sua zona de conforto, assim podendo mudar realidades de pessoas do mundo todo.
Quer construir uma história como a Thais? Inscreva-se para o seu intercâmbio voluntário em bit.ly/meuintercambiovoluntario

Leia também:



Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *