A AIESEC e a liderança em cada um de nós

É missão da AIESEC:

Possibilitar que os jovens descubram e desenvolvam seus potenciais de liderança para causar um impacto positivo na sociedade, através das oportunidades de liderança, intercâmbios profissional e voluntário e participação em um ambiente global de aprendizagem.

Mas como isso pode, de fato, acontecer?

Nada melhor para entender este processo do que analisando um caso real, que podemos observar todos os dias nos escritórios da AIESEC pelo país.

Ariel Pascke é de Curitiba. Aos 23 anos, ele é formado em Administração na Faculdade de Educação Superior, FESP-PR.

Quando ele entrou na faculdade, Ariel imaginava sua vida sem grandes reviravoltas. “Estava na ‘linha de produção’ da vida. Nascer-Estudar-Formar-Trabalhar-Envelhecer e ponto final. Nada de errado com isto, mas parece ser algo tão limitante quando paramos e percebemos o enorme potencial que todas as pessoas têm”.

Seu ideal no início do período universitário era estudar para um concurso público, mas uma AIESEC no meio do caminho revolucionou esse pensamento.

Buscando atividades extraclasse, Ariel procurava uma atividade que realmente o atraísse. “Realizei os mais diversos tipos de projetos. Acredito que, no fundo, sempre quis encontrar  coisas que fizessem ‘brilhar o meu olho’ e causassem algum tipo de diferença para alguém”.

Em cerca de um ano e meio de AIESEC, de fevereiro de 2013 a junho de 2014, Ariel viu seu interesse pelo impacto e pela liderança despertarem.

Confira o relato dele sobre seu tempo de AIESEC:

Em 2012, quando estava no 2° ano de faculdade e buscava ainda mais coisas com significado (comecei a trabalhar com 14 anos para de alguma maneira dar condições de vida melhores para a minha família e já havia trabalho em empresas, no setor público, vendendo coisas por conta própria) e comecei a trabalhar em um projeto social no qual conheci uma grande amiga, a Tyemi Souto, que era da AIESEC em Curitiba e sempre disse que eu iria crescer muito fazendo parte da organização.

Finalmente, participei do processo seletivo no começo de 2013 e fui aprovado.

Na AIESEC eu entrei como membro do time de iGCDP (Recebimento de Intercambistas Sociais), porém logo que iniciei as atividades o meu coordenador direto teve de sair da organização. Apesar do medo, eu decidi me desafiar e me tornei coordenador do Projeto Millennium da área de iGCDP.

No fim do projeto, três pessoas que trabalharam comigo nesta experiência são alguns dos meus melhores amigos (Gabriel Castedo, Luisy Guimarães, Luigi Cipolla), o projeto trouxe 21 intercambistas para atuar em sete ONGs de Curitiba.

Além disso, eu organizei duas vezes o Ideia Social, um evento voltado para conectar e desenvolver organizações do 3° Setor. Também atuei no time de vendas de intercâmbios sociais (oGCDP) da AIESEC em Curitiba e, por fim, fiz parte do Time Nacional de oGCDP, na qual tive uma experiência incrível buscando apoiar diversos escritórios da AIESEC no Brasil na gestão das áreas de oGCDP.

Diferenciais de um líder

O intuito da AIESEC é fazer com que seus membros inspirem outras pessoas, mostrem resiliência e saibam enxergar aspectos positivos nas dificuldades e tenham interesse no que está à sua volta.

A trajetória de Ariel mostra bem as mudanças pelas quais ele passou na AIESEC. Da vontade de prestar concurso e não ter mais nenhuma outra grande ambição profissional ao desafio de liderar uma equipe mesmo sem muita experiência. Neste processo, Ariel passou a se conhecer melhor e a inspirar outras pessoas a trabalharem com ele. Com essa confiança, sete ONGs de Curitiba podem agradecer ao trabalho de sua equipe, além do evento Ideia Social. Foram ações que impactaram.

Ariel pós-AIESEC

Hoje, Ariel trabalha com empreendedorismo social na Aliança Empreendedora. Esta organização social sem fins lucrativos atua nacionalmente apoiando empresas, ONGs e governos desenhando, testando e implantando modelos de negócios inclusivos e projetos de estímulo e apoio ao empreendedorismo junto a públicos de baixa renda.

Continuar Ariel: “com isso, geramos novas oportunidades de negócios, de trabalho e de renda, promovendo assim o desenvolvimento econômico e social. Desde 2005 já apoiamos mais de 19 mil microempreendedores em todo o Brasil oferecendo conhecimento, investimento, redes, mentoria e oportunidades de mercado”.

Através do Geração Empreendedora, iniciativa da Aliança em parceria com o Youth Business International, Ariel espera participar de um trabalho que torne o Brasil mais empreendedor. “Muitas vezes o jovem empreendedor não tem acesso a crédito, mentores, parceiros, conhecimento, mercado. O Geração Empreendedora busca quebrar estas barreiras e fazer com que o jovem de baixa renda se enxergue como um empreendedor e que também  leve desenvolvimento para as suas comunidades”.

O papel da AIESEC em seu caminho

Por causa da AIESEC desenvolvi várias competências intrapessoais, conheci pessoas maravilhosas em todo o mundo, sendo que algumas destas pessoas são hoje alguns dos meus melhores amigos e amigas. Além disso, eu tive a oportunidade de conhecer melhor e na prática o 3° setor e comunidades carentes em Curitiba, sendo está experiência prática fundamental para que hoje eu faça parte da Aliança Empreendedora e ainda atue com diversos projetos de empreendedorismo social.

E por fim, a AIESEC foi fundamental para eu acreditar no potencial das pessoas, eu acredito que todos podem, todos tem o potencial para transformar e às vezes só falta uma oportunidade para alguém explorar todo o seu potencial.

– Ariel Pascke

Leia mais no blog da AIESEC:

Indo para o Chile e fazendo sucesso nas rodinhas de violão

Talentos Globais possibilita “experiência grandiosa” para estudantes como Maiki – leia um relato de cinco meses na Índia

Um depoimento para você querer ser host da AIESEC

Leia também:



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *