IMG_8679

3 cidades que marcaram uma experiência AIESECa

  |  Postado por: AIESECo do Blog 3 de maio de 2017

Ana Luíza, mais conhecida como Analu, passou por uma longa jornada de desenvolvimento na AIESEC. Esse caminho a levou para mais longe do que imaginava. Durante a jornada teve duas paradas: Aracaju e Belo Horizonte. Atualmente ela está em Mumbai, na Índia. Qual o próximo passo ? Nem ela sabe.

Aracaju

Ouviu falar na organização e procurou saber um pouco mais. Quando leu a palavra intercâmbio, os olhos brilharam. Ela tinha acabado de voltar de uma temporada fora do país, com aquele sentimento misto de “Brasil, eu te amo” e de “preciso viajar”. Se inscreveu no processo seletivo querendo outra experiência internacional. Acabou se tornando membro da organização.

Era um trabalho gostoso de fazer. Aos pouquinhos começou a entender e descobrir as possibilidades. A AIESEC em Aracaju trouxe coisas incríveis. Entre elas um grupo de amigos que ainda hoje são tipo família. Aprendeu na prática algumas coisas que usa hoje na vida profissional. Melhorou sua oratória e também habilidade de vendas.

Por lá, aprendeu que deixar de lado algumas coisas é essencial para conseguir alcançar seus objetivos. Hoje, mesmo de longe, sempre fica de olho no que acontece no escritório. E não perde a chance de dar algumas opiniões, que são sempre bem-vindas.

 

 

Belo Horizonte

Formada, do dia para a noite arrumou um estágio incrível em Belo Horizonte. Se mudou com o objetivo de passar seis meses. Em uma noite, por acaso, estava no seu bar preferido quando ouviu uma conversa no dialeto da AIESEC. Se aproximou e perguntou se o grupo fazia parte da organização e onde ficava o escritório. Era do outro lado da rua do seu apartamento. Como era tão pertinho, Analu resolveu dar uma passada lá no dia seguinte. Chegou no meio de uma reunião geral. Ela estava acostumada a um escritório com poucas pessoas e se deparou com um lugar lotado. Mal sabia que ia acabar passando mais tempo ali que na própria casa. Ela viu na AIESEC em Belo Horizonte um lugar onde poderia estar com pessoas e ao mesmo tempo contribuir com algo que ela ama, para uma organização que ela ama.

 

 

2015 se revelou um ano incrível. Cidade nova, pessoas novas e um time que aconteceu por acaso, mas exatamente o que ela escolheria se tivesse a chance. Foram só aprendizados. Se tornou mais humilde e menos crítica. Teve a chance de trabalhar com uma líder que mostrava onde e como melhorar. Essa pessoa ensinou que era possível se importar com resultados e se preocupar com a evolução como pessoa. Foi entrando cada vez mais de cabeça na AIESEC.

O estágio acabou, o ano acabou, mas ainda tinha laços em Belo Horizonte. Participou da organização de vários eventos nacionais. Pôde desenvolver sua paciência, sua capacidade de empoderar os outros e de se autoconhecer. Mas também suas habilidades de desenho, cortar e colar. Depois, voltou a se dedicar localmente. Quando você pensa que já aprendeu tudo, as coisas mudam. Ela teve um novo time, uma nova área, e assim novos desafios. Viu a organização mudar. Poder assistir isso de perto foi muito bom.

Mumbai 

Já estava formada a algum tempo e não muito satisfeita com as possibilidades. Além de estar num momento de decidir o que fazer da vida, sentia saudade de viajar. Essa mistura fez com que decidisse viver a experiência que passou mais de três anos vendendo. Passar pelo máximo de experiências que a AIESEC tinha para oferecer seria incrível.

Depois de decidir que iria viajar começou o processo como qualquer pessoa de fora. Ela resolveu o que sempre falou para as pessoas para quem vendia o intercâmbio. Você não deve escolher a vaga ou o país antes de saber qual tipo de experiência você precisa ter, e o que faz sentido nesse momento.

Depois disso, não tirou mais a Índia da cabeça. Tinha certeza que não seria fácil e que o choque cultural seria enorme. Mas fazia sentido para ela e traria muito aprendizado.

 

Analu está na Índia agora. Não se sente decepcionada nesse sentido. As diferenças são muito grandes e a cultura te engole de uma maneira muito forte. É muita gente, muito trânsito, tudo novo. Desde tentar se localizar com placas escritas em Hindi até os cheiros e os sabores. Ela promete novidades em breve de como a Índia está cuidando dela.

Quando perguntada se encerrou seu ciclo de experiências de AIESEC por aí, ela deixa no ar. “Nunca se sabe. Acho que nesse momento essa é a experiência que estou precisando. Quando tudo isso acabar, veremos qual será meu destino!”

Essa é a história da Analu. Quer começar a escrever a sua? Clique aqui se o seu interesse é trabalhar junto com a AIESEC da sua cidade, e aqui se você quer saber mais sobre o Talentos Globais!

Leia também:

9 motivos para você fazer um intercâmbio
10 curiosidades sobre a Costa Rica
EUA x Índia: 3 motivos para optar por um intercâmbio fora do padrão
Categoria: Sem categoria

One Response to 3 cidades que marcaram uma experiência AIESECa

  1. CLAUDIO TADEU CRISTINO says:

    Claro que vou falar como pai, mas também como eterno crítico das coisas. AIESEC é uma grande organização alinhada com metas de globais, sustentáveis, modernas e fraternas que vêem sendo exigidas nos dias de hoje. Analu é a pessoa certa, nos lugares certos.

Deixe um Comentário sobre CLAUDIO TADEU CRISTINO Cancelar resposta

*



Somos a maior organização de estudantes do planeta, reconhecida pela Unesco. A AIESEC é uma rede global formada por jovens universitários e recém-graduados, que, por meio do trabalho dentro da organização e de intercâmbios profissionais, estimula a descoberta e o desenvolvimento do potencial de liderança de seus membros.